Entenda como funciona a sinalização sonora para deficientes visuais

Acessibilidade 03/04/2019
Entenda como funciona a sinalização sonora para deficientes visuais

Para quem não sabia, desde 2000 é obrigatória em todo o Brasil à sinalização sonora para deficientes visuais em vias públicas de grande circulação. De acordo com uma resolução publicada pelo Contran (Conselho Nacional de Trânsito) em 2017, os municípios têm até o dia 31 de dezembro deste ano para se adaptarem e atenderem todas as exigências estabelecidas.

O órgão considera que o trânsito seguro é um direito de todos e que o Estado deve adotar medidas para garantir essa prerrogativa. Assim, ele definiu os requisitos para a implantação de mecanismos que funcionem como guias para a travessia de vias públicas por pessoas com deficiência visual ou mobilidade reduzida, conforme determina a legislação brasileira.

Dessa forma, os semáforos para pedestres instalados nas vias públicas de grande circulação ou em locais que fornecem acesso a serviços de reabilitação devem, obrigatoriamente, estar equipados com mecanismos que emitam sinais sonoros suaves para orientação dos pedestres.

Sinalização sonora para deficientes visuais: como funciona?

Os sinais sonoros possuem dispositivos que emitem sons, vibrações e estímulos visuais. Eles transmitem orientações e advertências para auxiliar os pedestres que possuem alguma deficiência a se locomoverem com segurança.

A padronização desses equipamentos é imprescindível, já que oferece aos cidadãos uma mesma maneira de utilização em qualquer cidade do país. Todos eles informam aos usuários os intervalos de sinalização verde, vermelho intermitente e vermelho fixo.

O semáforo com sinal sonoro deve ter sua localização sempre identificada por sinalização tátil direcional e de alerta, em conformidade com as normas técnicas brasileiras de acessibilidade. A botoeira sonora deve atender condições como as seguintes:

  • Possuir dispositivos que emitam sinais visuais, sonoros e vibratórios integrados;
  • Emitir mensagem verbal indicando que o usuário deve pressionar o botão de acionamento por 3 segundos para ativação do modo sonoro, sempre que o botão for acionado por tempo inferior a este e o modo sonoro não estiver ativado;
  • Possuir dispositivo que emita sinal visual de localização e sinal visual de demanda de cor azul;
  • Possuir dispositivo que emita sinal vibratório instalado na sua parte frontal, preferencialmente com a utilização do botão de acionamento como elemento de vibração;
  • Possuir um botão com diâmetro mínimo de 40 mm;
  • O botão deve estar posicionado a altura entre 0,80 m e 1,20 m do piso, medido do centro do botão ao piso acabado.

Quando o pedestre quer atravessar uma rua, o equipamento de aviso sonoro emitirá sons indicando que a via está apta para que ele o faça em segurança. Quando o tempo para atravessar a via está acabando, o sinal sonoro ficará mais rápido e o pedestre poderá identificar que logo o semáforo irá abrir. Se o equipamento não está emitindo nenhum som, significa que o fluxo de veículos está liberado e que o pedestre não pode realizar a travessia.

Ao chegar ao local de travessia, o deficiente visual fará contato com o aparelho e poderá ler instruções de uso em braile. Após apertar o botão de travessia durante três segundos, ele será informado sobre a cadência dos sinais sonoros.

Além de prover esses equipamentos, os municípios devem educar os pedestres para sua correta utilização. Um trânsito melhor só é feito com a ajuda de todos e a consciência dos motoristas.

 

Qualidade em soluções de acessibilidade? Conheça a Wat!

A Wat é uma empresa localizada em São Paulo especializada no segmento de acessibilidade, que fabrica produtos de qualidade para tornar ambientes melhores para pessoas com necessidades especiais. Com projetos realizados com sucesso por todo o Brasil, a Wat conta com uma equipe preparada para te ajudar na instalação e na adequação do seu espaço da melhor maneira. Clique aqui, entre em contato e conheça nosso trabalho!

 

Imagem: BrianAJackson | iStock / Getty Images Plus